Delivery cresce e movimenta R$ 11 bilhões por ano

Delivery cresce e movimenta R$ 11 bilhões por ano

Segundo a Abrasel, o mercado de delivery tende a crescer acima de 10% em 2020.

No primeiro trimestre de 2019, a Abrasel (Associação Brasileira de Bares e Restaurantes) divulgou que o número de pedidos via aplicativo é aproximadamente R$1 Bi por mês.

Isso mostra a importância de ter um site ou aplicativo, para atrair mais clientes e aumentar suas vendas.

Criar essa estrutura digital é algo bem acessível e há diversas opções mais em conta no mercado. Por exemplo, você pode criar um site com o Wix ou se tornar um franqueado

Aliás, o Wix possui aplicativos que permitem criar um sistema completo para seu restaurante, incluindo adicionar menus em seu site e aceitar reservas de mesa online, é o chamado Wix Restaurants.

Segundo o Sebrae, metade dos restaurantes e lanchonetes atendidos, oferecem a opção de entrega, mas preferem não terceirizar o serviço.

A pesquisa também identificou que 12% destas empresas, não possuem uma loja física, realizando o atendimento exclusivamente por aplicativos.

O mercado está tão aquecido, que em 2018 a DeliveryMuch cresceu em 132%, representando 14% do market share.

Separamos alguns dados importantes, para que você compreenda a dimensão deste mercado, que movimenta R$11 bilhões por ano . E quanto a sua empresa pode estar perdendo, por não aproveitar esta oportunidade.

Desafios no crescimento

Novos aplicativos de entrega surgem frequentemente, o que faz com que a competição aumente. Porém é preciso focar no atendimento ao cliente, para poder se destacar neste mercado.

Para 39% dos usuários de apps de delivery, a maior insatisfação é a cobrança da taxa de entrega.

Em seguida estão: a demora para a entrega, pedidos que chegam errados e o fato dos restaurantes favoritos, não fazerem parte da rede credenciada.

A pesquisa da QualiBest identificou que 50% dos internautas que não utilizam aplicativos para encomendar refeições, não o fazem por falta de hábito.

Isso mostra a importância das lanchonetes e restaurantes, estimularem seu público para conhecerem esta opção.

Perfil do Consumidor do delivery

É preciso ficar atento às mudanças do comportamento dos consumidores. O Instituto QualiBest apurou que 61% dos usuários de aplicativos de entrega de alimentação estão na região Sudeste, e 60% pertencem às classes A e B.

Em média, os usuários gastam em torno de R$38 por pessoa. Aos finais de semana e feriados, os pedidos aumentam pois as pessoas:

  • desejam comer algo diferente e não sabem como preparar;
  • querem fazer uma refeição, mas estão sem tempo;
  • não podem se deslocar até o local.

A maioria dos usuários são mulheres, com idade média de 31 anos. Já os homens representam 47%.

A região Sudeste concentra 56% dos consumidores, seguidos pelo: Sul (19%), Nordeste (15%) e Centro-Norte (10%).

Quais os principais serviços e produtos?

Atualmente é possível encontrar aplicativos para inúmeros tipos de serviços e produtos.

Seja para comprar gás, contratar um PetShop ou comprar bebidas alcoólicas, o brasileiro quer ganhar tempo quando opta pelo aplicativo.

Em uma escala com os 5 serviços mais utilizados, estão:

  • Delivery de refeições e comidas prontas(50%);
  • Aplicativo de táxi e carros particulares(50%);
  • Entrega de Gás(34%);
  • Ingressos(30%);
  • Serviço de motoboy e entregas express(23%);

Os serviços de delivery são tão importantes para os consumidores, quanto os aplicativos de mobilidade.

Restrições alimentares, vegetarianos e veganos

Este é um público que vem crescendo nos últimos anos. Segundo a pesquisa encomendada pela SVB (Sociedade Vegetariana Brasileira), 14% dos brasileiros se declaram vegetarianos, o que representa 22 milhões de pessoas.

Entre os perfis estão:

  • Vegetarianos: Não consomem alimentos com derivados de animais (carne, leite, ovo, mel);
  • Ovolactovegetariano: Não consomem carnes, apenas derivados como leite e ovos;
  • Vegano: Além de não consumirem nenhum tipo de ingrediente de origem animal, também não utilizam roupas ou qualquer outro produto que faça uso;
  • Intolerante à lactose: Pessoas que por questões de saúde, não podem comer nada que contenha lactose(açúcar do leite). Em casos mais severos, não é recomendável compartilhar utensílios(panelas, garfos, etc);
  • Intolerante ao Glúten:Semelhante ao problema anterior, porém estes consumidores têm problemas com: trigo, centeio e cevada.

Este é um segmento bem promissor, já que cresce o número de adeptos a uma alimentação mais natural e saudável.

Em 2017, Carlos Wizard investidor, fundador da Wizard e dono da rede de lojas Mundo Verde, comprou 50% da Natural Science, empresa que produz produtos veganos.

A estratégia foi de aumentar o portfólio de produtos, das mais de 380 lojas espalhadas pelo Brasil.

Estratégias de Marketing para restaurantes

Com um mercado em expansão, são necessárias boas estratégias de marketing digital, para alcançar o maior número de usuários e convertê-los em clientes.

Os chatbots são grandes aliados das empresas, já que possibilitam automatizar o atendimento pelo Facebook ou site.

Produzir bons conteúdos nas redes sociais, faz com que os consumidores fiquem engajados e falem do seus estabelecimento para outros usuários. E este tipo de comportamento, reduz o seu custo de aquisição de clientes(CAC), deixando sua operação mais lucrativa.

Outra estratégia é utilizar influenciadores, para divulgar o seu produto ou serviço. Porém, para negócios menores e que precisam de um retorno rápido, os microinfluenciadores são a melhor opção.

Isso porque eles estão mais próximos da audiência, o que permite uma influência maior na decisão de compra.

Agora você já tem os dados sobre o mercado de delivery, e as dicas de marketing para aplicar no seu negócio.

Para se aprofundar mais ainda acesse:

Guia de marketing digital para restaurantes
8 estratégias para fazer SEO local para pequenos negócio
Como tornar meu negócio digital