Skip to main content
ideias de negócios

6 ideias de negócio próprio no ramo de alimentação

3.4 (68%) 5 vote[s]

6 em cada 10 brasileiros quer empreender. Se você está faz parte deste grupo, neste artigo trazemos 6 ideias de negócio próprio para você começar a empreender agora!

Está sem tempo de ler agora? Então ouça ou baixe o áudio para ouvir depois!

 

Escolher um ramo para começar uma empresa é uma das decisões mais difíceis para um empreendedor iniciante.E também é uma das mais definidoras, afinal, indica o objetivo do plano de ação.

No Brasil, um dos setores tradicionais no mercado é o da alimentação. Segundo a ABF, o setor é um dos mais procurados por empreendedores em vista de não só atender a desejos de consumo, mas também a uma necessidade básica.

Outro ponto interessante nos últimos anos está em a comercialização de alimentos ter crescido. Segundo o relatório mais recente da Associação Brasileira das Indústrias de Alimentação (ABI), o faturamento entre 2017 e 2018 cresceu mais de 12%. Esse aumento vem acontecendo em um cenário em que a tecnologia está cada vez mais forte, favorecendo a origem de projetos inovadores.

Mas quais são as possibilidades para entrar nesse contexto promissor? É sobre isso que vamos falar a seguir. Acompanhe o post para conhecer 6 ideias de negócios no ramo de alimentação!
1 – Kits de refeições
2 – Marmitas
3 – Fast Food
4 – Produção Artesanal
5 – Delivery de comida Online
6 – Alimentação saudável

1. Kits de refeições

Um formato de vendas que vem trazendo novidade para o mercado de alimentação, especialmente entre aqueles que enxergam a comida também como um hobbie, é o de meal kits.

Essa estratégia consiste em oferecer um pacote com tudo o que é necessário para o preparo de uma receita. Ou seja, no seu lar, a pessoa pode reproduzir um prato especial usando porções adequadas de cada ingrediente e acompanhando um passo a passo.

Grandes companhias do varejo internacional, como Wallmart e Amazon, estão investindo nessa ideia, que acaba estimulando muita gente a cozinhar, mesmo sem ter experiência.

Aqui no Brasil, a Cheftime é uma empresa que aposta nesse segmento há alguns anos, fazendo parcerias com restaurantes, eventos e variadas marcas para enviar kits para consumidores cadastrados em seus planos de entrega.

empreendedorismo feminino

2. Marmitas

Aqui, estamos falando de um modelo clássico no setor de alimentação. O take away, isto é, comprar pratos prontos “para viagem”. As marmitas, ou quentinhas, estão entre as formas de venda direta de comida mais comuns no Brasil.

Muitas pessoas são adeptas desse tipo de serviço porque contam com a praticidade de fazer refeições fora de casa a um preço justo e sem ter de preparar nada.

Dentro do segmento, com a valorização do cuidado com o corpo e a saúde, um subnicho que vem crescendo é o das marmitas fitness. Uma oportunidade de negócio para quem quer conquistar uma clientela segmentada e fidelizada.

Existem várias formas de investir nesse setor. Você pode ter uma loja física, por exemplo, para oferecer produtos rápidos a qualquer visitante, ou, então, ter um negócio mais personalizado, entregando encomendas diretamente onde o consumidor escolher.

3. Fast food

O Brasil, nas últimas décadas, foi totalmente invadido pelas redes de comida rápida. Primeiro, vieram grandes marcas internacionais, como McDonald’s e Burger King. Com a validação desse modelo de negócio, começaram a nascer diversas iniciativas nacionais, e hoje são diversas as franquias autenticamente brasileiras nesse setor.

O apelo do fast food facilita a rotina de muita gente. Facilita o acesso a alimentações rápidas, sem exigir o mínimo de esforço do comprador. E com a diversificação dos hábitos de consumo, hoje não se vê só hamburgueria e pizzaria por aí, não. Existem várias marcas focadas em alimentação saudável, como saladerias e lojas de sucos naturais, por exemplo.

4. Produção artesanal

Não é só a agitação que move a sociedade. É preciso equilíbrio. E a onda de alimentação saudável, com a tomada de consciência para um relacionamento mais próximo com o meio ambiente e as pessoas, é uma mudança de estilo de vida que vem aumentando a procura pela alimentação artesanal.

Negócios focados em uma produção mais autêntica e com pegada de slow food, como doces, salgados e bebidas feitos à mão, chamam a atenção e dão frescor às relações de compra e venda. Esse tipo de nicho tem valorizado culturas regionais e pessoas. É uma excelente forma para quem vê, no empreendedorismo, um meio de transformação social.

5. Delivery de comida online

Como pincelamos na introdução, a tecnologia vem favorecendo os negócios de alimentação. O setor de pedidos via web é um exemplo disso. Conforme dados da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), o número de pedidos via aplicativos cresce em torno de R$1 bilhão a cada ano.

A estatística impressionante mostra como esse tipo de acesso a serviços alimentares vem dando certo no país. Desde 2011, a Delivery Much é umas das empresas que investe em inovação e tecnologia no setor.

Atualmente já são mais de 180 cidades no país que contam com o sistema de delivery de comida online. Nos últimos anos, o setor de entregas por meio de pedidos digitais ganhou espaço e, assim, vem estimulando novos hábitos em diversas localidades no país, principalmente em cidades pequenas.

Enzo de Rosso Thaddeu, franqueado da DM, em Cacoal, comenta que ao levar o app da Delivery Much à cidade houve um salto em percepção tecnológica, geração de empregos e na cultura da cidade.

“No início houve certa barreira. As pessoas não sabiam direito o que eram e tinham dúvidas se o pedido iria de fato chegar”, relembra Rosso. Hoje, explica ele, além de uma familiaridade com a tecnologia a cidade ganhou um mercado de entrega que não existia e a implementação de tecnologia melhorou a estrutura dos restaurantes, para receber os pedidos, e criou uma cultura de marketing mais forte na cidade.

6. Alimentação Saudável

Além do crescimento natural do mercado de alimentação, para 2019, segundo a ABF Francchising Expo 2018, as apostas no setor são seguras e lucrativas. E além das dicas acima o mercado de alimentação saudável e orgânicos são uma tendência pela grande demanda por esse tipo de alimento.

De acordo com a agência de pesquisa Euromonitor, o segmento cresceu, no Brasil, 98% entre 2009 e 2014 no Brasil. Veja outros dados desse setor:

  • R$ 93,6 bilhões movimentados em 2016 no Brasil;
  • 12,3% é a média de crescimento ao ano no Brasil na última década;
  • 8% é a média de crescimento em outros países;
  • 5º lugar no ranking mundial desse segmento;
  • Orgânicos é o nicho com maior crescimento nos últimos 5 anos (18,5%).

Hoje você conheceu 6 ideias de negócio próprio no ramo de alimentação para empreender. São várias as possibilidades, e você pode começar uma trajetória bem-sucedida se conhecer a fundo as opções.

Quer saber mais sobre uma delas? Então, entre em contato com a Delivery Much e entenda como ser um franqueado da marca pode ser o seu diferencial empreendedor!
Empreender no interior