O que é um operador logístico

O que é um operador logístico?

Ao contrário do que pode parecer, o operador logístico não é um cargo no ramo da logística, mas sim uma empresa que presta serviços logísticos terceirizados.


Não é novidade que o mercado atual é competitivo. Inúmeros negócios disputam pela atenção dos consumidores, e ganha quem oferece melhores produtos por valores mais baixos e com a entrega mais eficiente. Isso impõe muitos desafios logísticos para as empresas, principalmente para as pequenas.

Ter os produtos sempre em estoque para garantir uma entrega ágil demanda recursos que as pequenas empresas dificilmente têm. Manter um grande estoque requer um armazém adequado, que demanda um investimento logístico além do básico, que implica em despesas iniciais e de manutenção elevados. É aí que entram os operadores logísticos.

Essas empresas suprem as necessidades dos pequenos negócios com custos menores do que os necessários para investir em toda a operação logística internamente. Além disso, também possuem o know how do qual tanto as empresas pequenas quanto as maiores podem se beneficiar.

Conheça neste artigo as funções do operador logístico e entenda como definir a melhor opção para o seu negócio.


MENU DE NAVEGAÇÃO
1 – Qual a função de um operador logístico
2 – Quais são os tipos de operadores logísticos
3 – Quais os tipos de transportadores
4 – Qual é a melhor opção: operador logístico ou frota própria


1 – Qual a função de um operador logístico

O operador logístico é responsável pela execução de atividades em diferentes áreas do negócio, desde o controle de estoque até a gestão do transporte. Confira suas principais funções:

Controle de estoque

O operador fornece relatórios e instrui a empresa contratante sobre políticas de gestão de estoques. Também deve saber indicar os produtos disponíveis em estoque e manter o cliente informado sobre o giro das mercadorias.

Armazenagem

Quando contratado para fins de armazenagem, o operador logístico deve dispor de instalações adequadas para as necessidades específicas de cada produto. O estoque armazenado pelo operador deve passar por inspeções, pelo controle de qualidade adequado e receber garantia em caso de avarias.

Gestão de transportes

Uma das funções mais fortes dos operadores logísticos, a gestão de transportes inclui a capacitação de transportadoras e o monitoramento das atividades realizadas por elas, a elaboração e expedição de relatórios de acompanhamento dos serviços e o pagamento dos fretes.

2 – Quais são os tipos de operadores logísticos

Operadores logísticos baseados em ativos

São as empresas que possuem investimentos próprios em armazenagem, transporte e toda a estrutura de que os clientes necessitam em suas operações logísticas. A principal vantagem de buscar esse tipo de operador logístico é o fato de serem especializados e terem as soluções estruturais de que o cliente precisa.

Operadores logísticos focados em informação e gestão

O foco desse tipo de operador é na prestação de serviços de consultoria logística. Eles oferecem ao cliente seu know how de gerenciamento, o que os permite buscar as melhores soluções para cada um. Ao contrário do primeiro modelo, eles não possuem ativos operacionais próprios. Isso pode ser visto como uma vantagem dependendo do negócio, uma vez que há uma flexibilidade maior para procurar soluções terceirizadas que se adequam melhor à realidade do cliente.

Operadores logísticos híbridos

Essas empresas fornecem todo o processo logístico, desde o planejamento até a armazenagem e o transporte.

3 – Quais os tipos de transportadoras

As empresas possuem produtos diferentes, com necessidades de transporte específicas. Por isso, é importante conhecer os diferentes tipos de transporte, tanto se você buscar um operador logístico para realizar a operação quanto se decidir investir em uma frota própria. Confira:

Transporte de carga geral

Este tipo de transporte é indicado para cargas comuns, que não exigem nenhum procedimento especial de armazenamento ou distribuição. É usado normalmente para transporte de produtos alimentícios, industrializados, produtos farmacêuticos, materiais de construção.

Transporte de encomendas

Essa é a modalidade em que a carga é coletada em um endereço e transportada de forma segura até o seu destino previamente estabelecido. 

Transporte de carga completa ou fracionada

O transporte de carga completa é indicado para empresas que precisam de um caminhão exclusivo o transporte da sua mercadoria (como é o caso de cargas que oferecem risco de contaminação). Já na fracionada, várias empresas podem compartilhar o mesmo caminhão para realizar entregas em destinos próximos. A principal vantagem desse modelo é redução do valor do frete para cada empresa, já que cada uma paga apenas pelo espaço que ocupa no caminhão.

Transporte de cargas perigosas

O transporte de cargas perigosas exige o cumprimento de uma série de exigências determinadas pelo Código Brasileiro de Trânsito. Por envolverem materiais que oferecem riscos à vida, os cuidados com esse tipo de carga vão desde o carregamento até a entrega no destino final, sempre feitos por colaboradores capacitados.

Transporte de cargas frigoríficas

Esse tipo de carga exige veículos especiais, que garantam as condições necessárias de temperatura, ventilação e umidade que os produtos exigem. A higienização correta dos veículos também é essencial para evitar contaminações e outros problemas que danifiquem os produtos.

Transporte de mudanças

Esse é um tipo de transporte corriqueiro, contratado tanto por pessoas físicas quanto jurídicas, como um recurso em processo de mudanças residenciais ou empresariais.

4 – Qual é a melhor opção: operador logístico ou frota própria

A melhor opção vai depender da realidade do seu negócio, das suas necessidades e dos objetivos traçados para a sua empresa. Tanto a dinâmica de funcionamento quanto os custos envolvidos variam muito entre os dois modelos, e ambos possuem tanto vantagens quanto desvantagens que devem ser considerados no momento da decisão.

Alguns pontos que você precisa avaliar antes de tomar sua decisão:

  • Custos operacionais: o investimento em uma frota própria é alto e deve ser bem planejado. A aquisição dos veículos é só uma parte: é preciso levar em conta também a manutenção da frota e a depreciação dos veículos ao longo dos anos. A contratação de um operador logístico pode ser uma boa opção caso o seu teto de gastos não seja muito alto.
  • Do que você realmente precisa: a sua necessidade está concentrada no transporte ou você precisa de soluções ligada à logística em outros pontos da cadeia? E, se for apenas no transporte, a contratação direta dos serviços de uma transportadora não poderia suprir a sua necessidade?
  • Qual é a estrutura da sua empresa hoje: você já possui uma equipe para realizar a gestão interna das mercadorias se investir em uma frota própria? Ou isso implicaria na contratação ou remanejamento de colaboradores para coordenar a roteirização das entregas, a emissão de documentos fiscais, o planejamento para otimização de cargas e todos ou outros procedimentos envolvidos na cadeia logística de entregas?

Leitura complementar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *