UX writing escrevendo para o seu cliente

UX writing: escrevendo para o seu cliente

Relativamente novo, o Ux Writing se refere às experiências geradas para os clientes a partir de textos com mensagens claras e diretas.


Você se preocupa com a forma como se comunica? Mesmo que de forma inconsciente, é muito provável que sim. Todos nós queremos ser compreendidos quando tentamos passar uma mensagem, assim como esperamos capturar e manter a atenção do interlocutor. Em outras palavras, ninguém quer ser deixado falando sozinho.

As marcas possuem essa mesma preocupação. Elas precisam entender o que atrai seus consumidores e direcionar sua comunicação a partir daí. Por isso, os textos usados para passar uma mensagem, tirar uma dúvida ou levar a uma ação precisam ser pensados de forma estratégica. Isso inclui uma comunicação concisa, verdadeira e que explore a linguagem que o seu cliente fala.

O conceito de experiência do usuário já não é novidade — ou ao menos não deveria ser: essa deve ser uma das prioridades de quem busca atração, conversão e manutenção de clientes. Dentro dessa estratégia está inserida a UX writing, ou seja, a escrita focada na experiência dos usuários, que engloba desde o marketing e o design até a arquitetura de informação.

Saiba mais sobre o conceito e entenda como aplicá-lo no seu negócio no artigo abaixo:


MENU DE NAVEGAÇÃO
1 → O que é UX writing?
2 → O que é copy e microcopy
3 → Como aplicar no seu negócio


1 → O que é UX writing?

Pense na última compra que você fez online. Agora pense nos textos que você encontrou ao longo do caminho.

Talvez você tenha encontrado uma descrição concisa e direta do produto, um anúncio indicando uma promoção ou um botão que chama para uma ação (como um “Compre agora”).

Ou talvez não seja nada disso: você pode ter se deparado com descrições divertidas e cheias de bom humor, sugestões personalizadas de produtos que tem a sua cara e um botão de compra que combine com essa linguagem (como um “Me compra, vai!”).

Essa forma de se comunicar não é exclusiva do ambiente online nem é pensada ao acaso. Ela leva em conta a personalidade da marca e a persona para a qual ela se destina, o que ajuda a alinhar o tipo de consumidor que tem mais chance de se engajar com a sua marca. Tudo isso faz parte da UX writing.

O objetivo principal do UX writing é otimizar a experiência do usuário. Textos com mensagens simples, claras e integradas ao design facilitam a escolha do cliente seja qual for o negócio. Esses detalhes têm um impacto direto nas decisões tomadas pelo usuário na plataforma; quando a marca sabe direcioná-lo de forma eficaz, ela cria para si uma grande vantagem competitiva.

2 → O que é copy e microcopy

A copy nada mais é do que o texto criado para atrair os consumidores, estimular o engajamento com a sua marca e levá-los a executar uma ação. Ela não se limita aos sites de venda e é usada em vários momentos da jornada do cliente, como a redação de conteúdos para e-mail, postagens em redes sociais, anúncios impressos e mesmo em posts de blogs (sim, como esse aqui).

Já a microcopy se refere a textos curtinhos, que transmitem as informações através de poucas palavras. Você vai encontrar textos assim em títulos, subtítulos, botões, anúncios, etc.

“Mas, no fim das contas, são os textos grandes que importam, né? Um texto tão pequenininho não faz muita diferença.” Bem, é justamente neste ponto que muitas empresas erram.

A microcopy tem a função de criar conexão com o usuário de forma ainda mais rápida do que a copy normal. É aquela ideia de “bater o olho” e já saber o que esperar. Quando se trabalha com plataformas mobile friendly (que promovem uma navegação amigável em dispositivos móveis) isso pode refletir diretamente na sua taxa de retenção dos usuários no site.

Por fim, se você está lendo este texto, então ao menos uma das várias estratégias usadas para fazê-lo chegar até  você deve ter funcionado. E as chances de elas estarem relacionadas à microcopy são grandes.

3 → Como aplicar no seu negócio

Use uma linguagem simples

A simplicidade é um dos melhores recursos para aproximar o usuário. Por isso, evite usar termos técnicos ou científicos muito além do necessário. Passar uma mensagem clara com palavras de fácil reconhecimento ajuda a tornar a experiência mais fluida e menos cansativa.

Foque no seu público

Na hora de redigir a sua copy e microcopy, foque no seu público. Pense na forma como ele fala, os meios que busca para interagir com outras pessoas, quais termos e gírias usa e qual tom se encaixa melhor. Não caia no erro de reproduzir a mesma copy de outros sites que você se identifica como consumidor se ela não conversa com o seu público.

Conheça a jornada dos seus clientes

A partir do momento que você conhece o comportamento dos clientes ao longo da jornada, fica mais fácil de desenvolver estratégias mais assertivas e de identificar pontos de atenção que precisam ser revistos. Ter essas informações em mãos faz toda a diferença para o copywriter (profissional que produz a copy).

Trabalhe a copy de forma integrada

Uma copy só funciona se não for vista como um elemento isolado. Você pode ter o melhor texto, com os gatilhos mentais certos e palavras pensadas estrategicamente, mas, se o site não for bem estruturado, ela dificilmente terá forças para sustentar uma experiência positiva sozinha.

Use uma linguagem mais ampla e inclusiva

Ao invés de se dirigir a um gênero específico, busque conversar com todos os seus clientes. Por exemplo: ao invés de “Boas-vindas a todos”, você pode falar “Boas-vindas a todos e todas”, ou então buscar alternativas que não especifiquem gênero. Se o seu nicho for muito específico, você pode generalizar a linguagem e restringi-la apenas quando necessário, focando na sua persona.

Dê uma atenção especial à ortografia e à gramática

Uma dica simples, mas que faz toda a diferença. Afinal , quem não desconfia de um site com textos repletos de erros de português? Alguns detalhes podem acabar passando, mas o excesso passa a ideia de amadorismo, desleixo e, até mesmo, de um site falso. Escrever de forma simples não é sinônimo de desleixo, então não descuide desse ponto.

* Usar uma linguagem coloquial e gírias com o intuito de se aproximar da persona são recursos bem-vindos.


Leitura complementar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *