gestao-de-pessoas-em-pequenas-empresas

Como fazer gestão de pessoas em pequenas empresas? Veja 3 dicas para se sair bem!

Negócios não existem sem pessoas. Um produto ou serviço de qualidade não se lança sozinho, e contar com uma equipe preparada e valorizada faz toda a diferença para atingir o cliente final. Logo, investir em um bom gerenciamento de recursos humanos é o papel de todo empreendimento, seja de que porte for.

Porém, quando o foco são as pequenas empresas, sabemos que a realidade da gestão de pessoas não é fácil. Assim como existem empresários que seguem com práticas antiquadas, lesando tanto funcionários quanto o próprio negócio, há também muitos empreendedores querendo modificar o sistema, mas que encaram barreiras de tempo e recursos financeiros.

Só que é importante não cair no comodismo e observar que, muitas vezes, o que impede uma empresa de crescer e conquistar um novo patamar é a falta de um time comprometido, parceiro e colaborativo. Negócios, além de não existirem sem pessoas, são muito mais difíceis quando empreendemos sem a ajuda de ninguém.

Mas você deve estar se perguntando: “Como fazer isso?” E nós temos algumas respostas. A seguir, veja 3 dicas para dar um up na gestão de pessoas em pequenas empresas.

 

  1. Contrate um suporte terceirizado

A gestão de pessoal se tornou um aspecto tão importante que favoreceu o aparecimento de empreendimentos que oferecem apenas serviços dessa área para outras empresas. E essa solução pode ser justamente o que o seu pequeno negócio precisa.

Imagine que, para ter um setor de RH interno, além de um valor fixo para cobrir salários e direitos dos funcionários, você teria de arcar com despesas mensais de manutenção do departamento, contas que geralmente custam muito.

Em vista disso, possivelmente você acabaria com apenas um colaborador responsável por tudo. A sobrecarrega sobre uma pessoa, com demanda intensa, é uma prática que desestimula os profissionais e, ainda, oferece alto risco de falhas e retrabalho.

Já ao contar com uma equipe externa, você pode garantir um teto mensal menor para fazer a gestão de recursos humanos, comprometendo-se apenas com uma mensalidade acertada em contrato. E não só a economia de recursos é importante: fazendo essa escolha, você tem a certeza de que receberá assessoria especializada.

 

  1. Atraia e retenha talentos

Criar uma cultura inteligente de recursos humanos em uma empresa tem relação direta com o peso que o empresário dá aos seus processos seletivos. Afinal, se tiver preocupação de encontrar colaboradores capacitados e alinhados com o empreendimento, você favorece o seu plano de negócios e garante entregas qualificadas.

Para que isso seja possível, é essencial estimular o desenvolvimento de suas lideranças. Responsabilidade, comprometimento e empatia são atitudes esperadas de bons gestores. E se essas qualidades forem estimuladas no seu negócio, certamente os novos integrantes do time se sentirão bem-vindos e favoráveis a trabalhar em prol da empresa.

Logo, não subestime os processos de seleção. Planeje as vagas oferecidas, organize os recursos para as contratações, ajuste as funções pertinentes a cada área e priorize as características procuradas nos candidatos. Todos esses pontos são importantes para conduzir entrevistas objetivas e não arcar com prejuízos de tempo e dinheiro.

Depois da contratação, o passo certo é estimular a equipe. Nenhum profissional gosta de trabalhar em locais em que se sinta desvalorizado e estagnado. Ofereça possibilidade de crescimento, colha feedbacks, escute sugestões e mantenha, se possível, um sistema de recompensas. O cuidado com os funcionários é benéfico para o crescimento do negócio e também para a sua trajetória pessoal como empreendedor.

 

  1.  Abandone o conservadorismo

Talvez, essa seja uma das principais dicas desta lista. Desapegue já do conservadorismo! Empreender e inovar são ações que se complementam, e estimular um ambiente criativo e gostoso de se trabalhar é muito importante para uma boa gestão de pessoas.

Um exemplo de como a mentalidade fechada não cabe mais é a postura do “chefe”. Ao contrário da liderança, que abordamos no tópico anterior, a pessoa que assume esse papel apresenta perfil autoritário, não escuta a equipe e tem tendência a jogar a culpa sobre os funcionários. Empresas que atuam sob esse viés afastam profissionais e são mal vistas no mercado. Lembre-se, mais uma vez: negócio nenhum sobrevive sem pessoas!

Outro ponto sobre essa questão é a teimosia em manter procedimentos desatualizados, incompatíveis com o ritmo atual do mercado. Por exemplo, se você mantiver um funcionário de RH, por que forçá-lo a arquivar planilhas de funcionários no Excel, morosas e que oferecem riscos de erros, se ele pode contar com um software de gestão automatizado e que garante alta performance nas entregas?

Investir em tecnologia pode parecer um gasto, mas, na verdade, é uma atitude que garante atualizações corretas e ainda economiza tempo de trabalho. Assim, você pode liberar seus funcionários para outros processos, como o planejamento de dinâmicas para melhorar o ambiente laboral.

Viu só como é possível fazer gestão de pessoas mesmo com recursos mais enxutos? Tenha sempre em mente que o seu time é o principal capital da sua empresa e que, sem ele, nada é possível.

Se essas dicas de hoje serviram de inspiração para o seu empreendimento, que tal descobrir como funciona uma empresa que tem a valorização de pessoal como pilar? Conheça agora o dia a dia de um franqueado da Delivery Much!