fotografia-comida (1)

Fotografia de comida: a importância de uma boa imagem para o delivery online

Mais do que um diferencial, uma imagem bem pensada é um dos principais elementos na hora de convencer o seu cliente sobre a qualidade do seu produto.


Pense naquela fotografia de comida sem iluminação, sem muito contraste ou cores, e com um cenário qualquer de fundo. Ficou com água na boca? Pois é, o seu cliente também não fica. E esse detalhe pode estar interferindo diretamente nas suas vendas sem que você saiba.

Por mais clichê que pareça, a expressão “uma imagem vale mais do que mil palavras” deve servir como um mantra para quem trabalha no setor de alimentação, em especial para quem atua no delivery. É preciso pensar que é a fotografia precisa chamar a atenção do seu cliente.

Mas atenção: uma boa fotografia não é o mesmo que uma fotografia falsa! É preciso saber valorizar o seu produto como ele é, sem recorrer a truques que passem a ideia de propaganda enganosa.

Para ajudar você nessa tarefa, conversamos com os fotógrafos de food service Felipe Ballin e Débora Lemos e trouxemos abaixo algumas dicas de como fazer boas fotografias de comida para o seu restaurante. Confira:


MENU DE NAVEGAÇÃO

1 → A importância da fotografia de comida para vender

2 → Como boas fotos impactam o consumidor

3 → Como fazer boas fotos de comida

4 → Como fazer boas fotos para lojas com celular

5 → Onde e como utilizar as suas fotos

6 → Como contratar um bom fotógrafo de comida

7 → Banco de imagens: usar ou não usar?


1 → A importância da fotografia de comida para vender

Ainda que a descrição bem feita de um prato seja o toque final na hora de convencer um cliente, é a imagem a responsável por passar a primeira impressão. É preciso fazer com que os clientes “comam com os olhos”, portanto a fotografia precisa ser bem elaborada para que consiga cumprir o seu papel.

Segundo Débora Lemos, a fotografia é o que desperta o desejo por um produto.

“Falo como consumidora também. Às vezes a gente tá de bobeira no Instagram e dá de cara com uma foto que faz a gente pedir aquela comida na hora. Então, a fotografia cria esse desejo que a gente nem tinha antes de ver a foto.

Felipe Ballin tem a mesma opinião. “A fotografia é o principal elemento de convencimento no momento da compra, seja em uma gôndola de supermercado abarrotada de produtos ou mesmo no cardápio de um restaurante. Uma imagem com grande apelo visual atrai atenção, desperta o desejo e transmite maior credibilidade ao consumidor.”

E, é claro, ela influencia muito no momento que a pessoa já estava indo em busca de encomendar algo e encontra algum restaurante sem fotos ou com várias fotos iguais de banco de imagens, assim ela não consegue ter a menor ideia do produto que vai chegar na casa dela e desiste de comprar dele. Um restaurante com fotos reais do produto e principalmente boas fotos, que transparecem o quanto aquela comida é saborosa, é um restaurante que convence muito mais o cliente a pedir.”

2 → Como boas fotos impactam o consumidor

Os principais objetivos da fotografia no food service deve ser atrair o cliente, valorizar os pratos e divulgar o restaurante. Isso pode parecer óbvio, mas muitos empreendedores não levam em consideração esses objetivos antes de planejarem e investirem em imagens para os seus produtos. Por isso, ao invés de se beneficiarem a partir de boas fotos, acabam se prejudicando quando elas passam uma impressão de falta de cuidado e profissionalismo.

Débora acredita que uma foto boa convence o consumidor de que a comida é boa. Para ela, é muito comum o consumidor deixar de comprar algo por ver uma foto ruim e não sentir vontade de comer aquele prato. “Não adianta o produto ser bom e ter fotos ruins, principalmente no caso do delivery, onde o cliente só tem esse primeiro contato com aquele produto através das fotos e da descrição. A foto precisa convencer o cliente de comprar aquele produto”, completa.

Para Balin, a imagem atua também como um elemento psicológico e estimula os sentidos dos consumidores.

“Desde o período das cavernas a visão é a principal ferramenta de busca por alimento, seja para encontrar uma potencial caça ou para estimular as papilas gustativas antes de colocar o alimento na boca. E quando trouxemos esse conceito para a atualidade, a visão, na maioria das vezes, é o único sentido que temos acesso no momento da decisão de compra.

Ballin também destaca a mudança na forma como os restaurantes passaram a encarar as fotografias de comida em decorrência da pandemia, que exigiu a expansão para o delivery.

De acordo com dados da Delivery Much, houve somente em 2020, um crescimento de 88% no número de novos restaurantes que oferecem delivery no interior, fator que obriga os negócios a se destacarem. Para Ballin, a prática mais eficaz é através do investimento na produção de imagens de qualidade, que gerem appetite appeal em quem está do outro lado da tela.

Uma boa foto, que represente de maneira fiel o seu produto e destaque os seus principais atributos, é a maneira mais eficaz de despertar o desejo de consumo.

Felipe Ballin

3 → Como fazer boas fotos de comida

Ainda que cada produto demande técnicas diferentes, o foco em despertar o desejo dos clientes vale para todos. A autenticidade também é fundamental, já que os clientes não querem ter uma surpresa negativa ao receberem o produto em casa. E, se você tem estratégias de marketing específicas para os seus produtos, este também é o momento de colocá-las em prática.

Anote as dicas valiosas da Débora e do Felipe para fazer uma boa fotografia de comida: 

1 – Iluminação: O principal na fotografia é a luz, então é essencial que a pessoa entenda o mínimo sobre isso. Seja usando luz natural, luz artificial ou flash. Para foto de comida, o ideal é uma luz lateral, este ângulo vai gerar volume na fotografia e ressaltar as texturas. “A luz pode ressaltar muito o produto ou pode detonar com ele, por isso é importante saber usar. E, nunca use uma luz frontal!

2 – Conteúdos e referências: consumir conteúdos sobre o assunto e ver referências para se inspirar na hora de fazer a foto do seu produto é essencial. Instagram e Pinterest são ótimos caminhos para se inspirar. “Às vezes a gente não tem ideias de cenário em um primeiro momento, mas depois de ver referências já começamos a planejar quais louças e utensílios ficariam legais para compor a nossa imagem”, explica Débora.

Uma boa imagem precisa capturar os  principais atributos do produto a ser vendido. Textura, frescor, brilho, frio, calor e suculência são alguns pontos que nós, fotógrafos de alimentos, devemos tentar transmitir ao produzir fotos para nossos clientes.

Felipe Ballin

3 – Cores: as cores têm uma papel fundamental na hora de fotografar, elas vão auxiliar na construção do posicionamento da sua marca ou produto.

4 – Ingredientes: priorize sempre ingredientes frescos. E lembre-se, a comida deve ter aparência de que acabou de ser produzida.

5 – Cenário: louças, objetos e tecidos podem ser explorados para compor um ambiente harmônico com o seu produto. O importante é despertar os sentidos do seu cliente.

4 → Como fazer boas fotos para lojas com celular

Ao contrário do que muitas pessoas pensam, não é preciso investir em um equipamento profissional para tirar boas fotos. Muitos smartphones possuem uma resolução muito boa e possibilitam resultados excelentes. De acordo com Débora, saber trabalhar a iluminação é o ponto principal.

A primeira dica da profissional é o uso de luz natural.

  • Para fotografar com luz natural dentro de um ambiente, aproxime o produto de uma janela e desligue a luz do ambiente para não interferir. Você pode usar qualquer superfície branca, como uma folha ou isopor, para rebater um pouco da luz no outro lado do produto, caso crie muita sombra. Nunca use uma luz frontal, o flash do celular é péssimo para comida!
  • sempre limpe a lente da câmera antes de fotografar. Geralmente estamos manuseando o celular e com isso, a lente acaba ficando suja e isso interfere muito na foto.

Ballin destaca que o principal segredo de boas fotos de alimentos é a clareza na informação.

  • Parece um conceito simples, mas pensando que a fotografia é uma ferramenta de comunicação, ela deve ser clara e direta, todos os principais ingredientes devem estar claramente apresentados e devem estar de acordo com a real proporção de importância naquele prato.
  • Apresentação: caso você vá produzir uma foto de um prato com feijão, arroz, bife e ovo, no momento da foto, você deve posicionar o bife em primeiro plano, pensando que ele é a principal fonte de proteína deste prato, e também o produto com maior valor agregado.
Fotografia de comida: a importância de uma boa imagem para o delivery online - Delivery Much Blog
Foto: Felipe Ballin
  • O uso do contra luz vai realçar as formas e texturas do alimento, seja aquela fumacinha do alimento quente ou as formas frescas de uma salada molhada. Tentar, na medida do possível, rebater a luz principal, seja com isopor ou qualquer superfície branca também ajuda a atenuar as sombras duras e deixar tudo mais harmônico. A luz solar direta já é mais complexa de ser trabalhada, priorize entradas de luz em janelas com cortinas translúcidas brancas, assim você conseguirá um resultado melhor em suas fotos.

5 → Onde e como utilizar as suas fotos

Com boas imagens em mãos, você tem insumo para trabalhar em vários materiais para o seu restaurante, tanto no meio online quanto no offline. Essas estratégias de uso já devem ser previstas antes mesmo de as fotos serem tiradas, para que elas sejam pensadas de acordo. Confira alguns usos para fotografias próprias:

Catálogo de delivery: com imagens de qualidade, fica mais fácil tornar o seu cardápio mais atraente. Assegure-se de fotografar todos os produtos seguindo o mesmo padrão, para criar uma identidade visual mais forte.

Cardápio: é interessante que as fotos do seu cardápio físico sigam a mesma identidade visual do catálogo do delivery (e vice-versa). Nesse caso, nem sempre é possível utilizar fotos de todos os produtos disponíveis, então aposte em fotografias de pratos que você quer dar mais destaque.

Mídias sociais: em mídias focadas em imagem, talvez não seja necessário dizer que a qualidade é tudo. Invista tanto em fotos que coloquem o produto em destaque quanto naquelas em que pessoas interajam com ele. Essa é uma forma de despertar o desejo e humanizar a marca.

Ponto de venda e materiais gráficos: com imagens em boa resolução, também é possível investir em reforço visual tanto dentro do ponto de venda quanto em materiais gráficos distribuídos externamente.

6 → Como contratar um bom fotógrafo de comida

Se você chegou até aqui, já entendeu a importância de boas fotografias para agregar valor ao delivery, e talvez queira investir um pouco mais e contratar um profissional. Mas aí surge a dúvida: como encontrar um bom fotógrafo de comida?

Para Débora, o ideal é começar pesquisando na internet, principalmente nas redes sociais, por algum fotógrafo que seja especialista em food service e esteja na sua cidade ou região. O mais importante, segundo ela, é encontrar algum fotógrafo que esteja alinhado com o estilo de fotografia que você deseja para o seu negócio. Se encontrar alguém de outra cidade, pode estudar a logística de contratar ele mesmo assim, ou pedir indicação de algum outro fotógrafo que esteja mais perto de você.

Ballin também enfatiza a importância de buscar profissionais especialistas em fotografia de gastronômica. Ele lembra que apenas uma câmera profissional em mãos não é garantia de um resultado final satisfatório e que irá agregar valor a sua marca. Sendo essencial avaliar o portfólio de trabalho desse profissional, as empresas e marcas que já produziram com ele, e outros trabalhos produzidos dentro do mesmo segmento do seu negócio. “Sempre que possível solicite uma reunião com o profissional para conhecer melhor o que o mesmo pode agregar ao seu negócio”, enfatiza ele.

7 → Banco de imagens: usar ou não usar?

Eis o dilema de muitos restaurantes que querem melhorar a sua imagem sem investir em fotografias próprias. A alternativa, ainda que seja mais fácil, deve ser evitada.

Imagens de banco podem passar a falsa impressão de serem uma alternativa mais barata, mas nem sempre é o caso. Além disso, o seu uso pode ter um efeito contrário do esperado.

Para Ballin, é preciso atentar que estamos falando com um público bem informado e cada vez mais exigente. Ou seja, se falamos que esse público define suas escolhas primeiramente através da visão, esse mesmo público espera receber o mesmo produto que está sendo anunciado na imagem.

O perigo de usar imagens de banco está em o produto final nunca o ser fiel ao que convenceu o seu consumidor na hora da decisão de compra. Isso poderá gerar insatisfação, levando a uma visão negativa da sua marca/empresa.

Outro ponto a ser levado em consideração, é que: como você não estará utilizando uma imagem exclusiva, o seu concorrente pode vir a utilizar a mesma imagem para impulsionar suas vendas, gerando confusão na cabeça do consumidor.

Débora corrobora e destaca a necessidade de sempre buscar uma representação fiel dos produtos. Além disso, explica ela: “nem sempre é possível encontrar no banco de imagens o produto correto, principalmente, lanches ou pratos mais específicos, que só temos no Brasil, ou em determinado estado.”

Embora não seja recomendado, para quem, ainda assim, prefere fazer o teste com fotos de bancos de imagens antes de investir em fotografias próprias, existem alternativas gratuitas e livres de direitos autorais. Confira as opções dos sites abaixo:

Pixabay: https://pixabay.com/pt/

Pexels: https://www.pexels.com/pt-br

Freepik: https://br.freepik.com/

Freerange Stock: https://freerangestock.com/

Kaboom Pics: https://kaboompics.com/


Leitura complementar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *