10 dicas para gestão de franquias

Como fazer gestão de franquias, 10 dicas infalíveis

A gestão de franquias é essencial para o sucesso do seu negócio. E se você quer crescer e potencializar sua franquia, leia agora estas dez dicas!


Abrir uma franquia é uma alternativa segura para quem quer investir em um negócio próprio.

Entre as vantagens do modelo estão o trabalho em rede, a força de uma marca já conhecida e um negócio testado e validado.

Contudo, contar apenas com a força da rede e de uma marca não garante que você tenha um empreendimento de sucesso.

Nenhum negócio, por mais promissor que seja se sustenta sem uma boa administração.

Logo, se você é empreendedor ou pretende investir seu tempo e dinheiro em uma franquia, tenha em mente que você precisa entender, e dominar os aspectos envolvidos na controle de franquias.

Vamos entender como fazer a gestão de franquias em cada área:

MENU DE NAVEGAÇÃO

Gestão comercial de franquias
1 → Tenha parceiros e não fornecedores
2 → Tenha controle sobre sua base de clientes


Gestão de Marketing de franquias

3 → Investimentos
4 → Ferramentas de comunicação com o cliente
5 → Métricas de engajamento


Gestão Financeira de franquias

6 → Entradas e saídas
7 → Controle contábil
8 → Patrimônio


Controle geral de franquias

9 → Mantenha o padrão de qualidade da franqueadora.
10 → Aproveite o conhecimento da rede.



Gestão Comercial de Franquias

1 → Tenha parceiros e não fornecedores

O conceito de parceria vai muito além da relação cliente x fornecedor. Este tipo de conexão propicia um vínculo ainda mais forte de confiança e cumplicidade, que tem como principal objetivo o benefício de ambas as partes.

Lembre que um fornecedor parceiro não se limita somente às obrigações previstas em um contrato legal.

Ele assume a tarefa de entregar (e muitas vezes divulgar) o melhor da sua franquia.

Logo, juntar forças é fundamental para quem está dando seus primeiros passos e certamente faz parte da trajetória de quem já tem uma franquia de sucesso.

Lembre: são poucas as empresas que conseguem crescer sem o apoio e a fidelidade de parceiros de negócios.

2 → Tenha controle sobre sua base de clientes.

Essa é uma dica indispensável para todo bom gestor. A base de clientes de uma empresa é um de seus bens mais preciosos. Ela não pode ser negligenciada por quem quer crescer. Afinal, sem clientes não existe negócio.

Com isso em mente, o primeiro passo é analisar a sua base de clientes e identificar quais deles estão ativos e inativos.

Clientes ativos são aqueles que consomem seus produtos ou serviços com certa regularidade e geram lucros para a franquia, enquanto os inativos não mantém o mesmo vínculo.

lembrete: defina quais características definem um cliente ativo e um inativo

E como estamos falando de gestão, organizar a sua base facilita o processo de tomada de decisões estratégicas e permite que você visualize em quais clientes vale a pena investir.

Às vezes é melhor manter ativos os clientes lucrativos e se afastar dos clientes que não geram lucro significativo para seu negócio, se o seu objetivo for crescer.

Pondere ações que te levem a ter controle da sua base, e permitam que você planeje ações para prospecção de clientes com o perfil mais próximo do ideal para o seu modelo de negócios e se necessário campanhas para recuperar clientes inativos.

Gestão de Marketing de franquias

3 → Investimentos

A dica anterior está diretamente ligada a essa. Quando você conhece os seus clientes, também vai saber definir melhor o foco dos seus investimentos em marketing.

Essa é uma estratégia fundamental para qualquer negócio. É a partir de anúncios, eventos e outras ações que a sua franquia se tornará conhecida pelo público. 

Além disso, atente ao contrato de franquias, as franqueadoras preveem no documento o pagamento do fundo de marketing pelos franqueados.

A dica é: utilize esse recurso da melhor forma possível. Lembre que estas ações são realizadas em rede, um dos maiores ativos e vantagens de ser franqueado.

4 → Ferramentas de comunicação com o cliente

Quando falamos em marketing, as possibilidades são inúmeras. Os canais digitais possibilitam uma proximidade maior com o cliente, que pode interagir com a marca de uma forma muito mais orgânica do que acontecia até pouco tempo atrás.

Esse cenário permite à marca um monitoramento em tempo real sobre aspectos como a satisfação do cliente e a avaliação do serviço como um todo.

Para escolher quais ferramentas de comunicação você vai utilizar para chegar até o seu cliente, é importante saber onde ele está.

Pense: de nada adianta você fazer uma campanha de marketing gigantesca no Facebook se o seu cliente só costuma acessar o e-mail. 

Além disso, leve sua compreensão para além da mecânica do canal: estude seus clientes e entenda o que chama a sua atenção e como eles interagem com marcas concorrentes.

Isso pode ajudar você a evitar erros e economizar tempo e investimentos em estratégias que não fazem sentido para o seu negócio.


Leia também: 5 dicas de marketing para pequenas empresas


5 → Métricas de engajamento

Ainda falando sobre redes sociais, é preciso que você estabeleça as métricas de engajamento que são mais relevantes para você.

Isso é algo que você já deve ter definido ainda no planejamento da campanha de marketing, já que está diretamente ligado ao objetivo da campanha.

Neste ponto, é importante que você foque no seu objetivo para não gastar energia com desvio de foco e “métricas de vaidade”.

Em outras palavras, se o que mais importa  para a sua campanha é a venda para o cliente final, não faz sentido ficar contando curtidas em postagens.

O acompanhamento das métricas de engajamento permite que você ajuste a campanha caso conclua que os resultados esperados não estão sendo alcançados, o que evita desperdício de tempo e de recursos.

Gestão Financeira de franquias

6 → Entradas e saídas

Pode parecer uma dica óbvia, mas não faltam empreendedores que ignorem a importância de registrar as entradas e saídas do caixa (especialmente quando a franquia ainda está no início).

Depois que o negócio já está em operação e outras tarefas se tornam igualmente urgentes, o controle vai ficando cada vez menor.

Muitas vezes, os franqueados só se dão por conta da necessidade de reverterem a situação quando já é tarde demais.

As franquias, geralmente, possuem ferramentas próprias de gestão financeira.

Se esse não for o seu caso, o ideal é contratar um serviço de software que facilite essa tarefa. Hoje existem diversas soluções no mercado, que atendem aos mais variados tipos de empresas.

Faça isso logo no início, mesmo achando que ainda não é necessário. Este controle é a diferença entre uma franquia que cresce com uma base sólida e outra que precisa fechar as portas antes do tempo.

7 → Controle contábil

O controle contábil deve ser feito regularmente para direcionar a gestão da franquia de maneira mais acertada.

Ele envolve desde acompanhar o fluxo de caixa até elaborar o planejamento estratégico da empresa, prevendo situações de baixo rendimento para garantir que a empresa tenha reservas que garantam a sua sobrevivência.

Outra dica básica é sobre a separação de contas pessoais das contas da empresa.

Isso, mais cedo ou mais tarde, vai acabar comprometendo a saúde financeira da sua franquia, além de dificultar o controle de entradas e saídas como um todo.

A contabilidade não deve ser negligenciada mas também não precisa ser um bicho de sete cabeças. Aproveite os conhecimentos do seu franqueador e mantenha tudo organizado desde o começo.


Leitura complementar


8 → Patrimônio

Você sabe o valor do seu patrimônio? Essa informação é importante para que você saiba o quanto pode investir na sua franquia e quanto de reserva você tem para se manter no começo do negócio.

Dificilmente o seu empreendimento vai dar lucro nos primeiros meses, já que você precisa recuperar o que investiu para a implantação da franquia, então é preciso estar preparado.

O ideal, segundo especialistas, é que você invista até 50% a 60% do seu patrimônio financeiro na sua franquia.

Ou seja, se você possui R$300 mil, não ultrapasse os R$150 ou R$180 mil. Esteja sempre atento ao prazo de retorno sobre o investimento (ROI) para fazer esse planejamento de forma mais realista.

Controle geral de franquias

9 → Mantenha o padrão de qualidade da franqueadora.

Um dos fatores que leva um candidato a franqueado a adquirir a franquia é a qualidade do produto ou serviço vinculado à marca.

Portanto, depois de assinado o contrato, também é responsabilidade do franqueado investir em manter esse padrão na sua unidade.

Dentro da rede, todos os franqueados possuem acesso aos mesmos treinamentos, acompanhamentos, materiais promocionais e diversos outros recursos que visam garantir o padrão de qualidade para todas.

Assuma o seu papel como parte da rede, invista na gestão da sua unidade e, sempre que possível, traga novos elementos que reforcem os aspectos positivos já esperados pelo público.

10 → Aproveite o conhecimento da rede.

Por fim, faça bom uso de todo o conhecimento que a rede tem para oferecer.

O know how do franqueador pode ajudar você a evitar erros comuns em início de negócios, assim como pode acelerar o crescimento da sua unidade.

A rede de franqueados também é valiosa e não é encontrada em qualquer negócio.

Ela possibilita a troca de informações e experiências entre empreendedores que estão percorrendo a mesma jornada que você, que acreditam no mesmo produto ou serviço e também tem interesse em gerar ainda mais valor para a marca.

Esse contato certamente irá enriquecer o seu processo e se refletir no bom de desempenho da sua unidade.


Gostou do conteúdo? Você também pode se interessar por:

Da escolha à operação: como funciona uma franquia

15 Franquias para investir em 2020

15 microfranquias para investir em 2020

Por onde começar e porque abrir uma franquia em 2020